Viagem de férias: Dicas para economizar espaço na mala

Vou logo avisando que este post não é Publicidade. Tá? Por isso não está sinalizado nas nossas TAGs e Categorias. É que esta semana recebi um release da Expedia.com.br e achei as dicas arretadas para compartilhar. Como nestas férias escolares, iremos fazer uma viagem em família, casou direitinho com o nosso momento. 
Um dos grandes “vilões” na hora que decidimos viajar em família é a mala. Muitas coisas pra administrar e de muita gente, né? Otimizar estas benditas malas é uma missão. Então, este guia ajuda a arrumar a mala da melhor maneira, com dicas para dobrar as roupas e maximizar o espaço, apresentando oito técnicas de arrumação que podem aliviar o estresse na próxima viagem.
Espero que essas dicas nos ajudem! Hein?
Tem este vídeo auto explicativo também:
E ai? Já clareou mais as ideias? Vamos colocar em prática na próxima viagem?

Viajando com Crianças: a Rômantica Itália

Este post vai pras famílias viajantes ou àquelas que desejam iniciar esta jornada de amor as viagens com os pequenos a tiracolo. Uma grande amiga, Dulce Gayoso, viajou no inicio de Abril para Itália com sua Princesa Helena, de 5 meses. Eles adoraram a experiência e toparam contar tudo pra gente.
1. Como foi a preparação para esta viagem?
Tiramos o passaporte quase no limite, pois os pequenininhos só tem o documento válido por 1 ano, por isso queríamos aproveitar o máximo de tempo de validade para uma próxima viagem. Reservei com antecedência na TAP os assentos e o bercinho para Helena, ficamos na primeira fila e o bercinho é ótimo, cabe bebes de até 70 cm e 10 kgs. Em todas as reservas me certifiquei se o apartamento ou hotel aceitava crianças e reservei bercinhos, além da cadeirinha do carro alugado. Visitei a pediatra que nos passou receitas para as doenças mais comuns como: febre, enjoo, alergias, dor de ouvido, diarreia e gripe. Levamos até antibióticos, caso necessário. Separei e montei todos os looks da viagem com mais de uma combinação possível, da meinha até o lacinho, estava tudo programado. Tirei foto de tudo, o que me ajudou muito a escolher na hora sem bagunçar a mala.  
2. Diante da sua experiência, que dicas você daria para quem quer otimizar o tamanho das malas das crianças?
Foram 12 dias de viagens e eu levei 18 looks, e pasmem, só voltei com 1 limpo. Levei um pouco menos do dobro de looks, mas tinha algumas blusinhas extras para usar com calças já usadas. Os casacos mais pesados eu repetia e os sapatinhos também. A melhor forma de otimizar é, com certeza, o planejamento e montagem dos looks com antecedência. No caso de bebês, é importante otimizar a quantidade de fraldinhas e lençóis utilizados. Eu, por exemplo, uso em casa: fraldas de ombro, de boca, de chupeta, fora os lençóis e toalhas, infelizmente é impossível levar essa quantidade de fralda, por isso diminui bastante a quantidade, focando nas fraldas de boca e chupeta e tentava usar sempre o babador até 30 minutos depois da mamada. Se o seu bebê não golfa com frequência, melhor ainda. Ah, além disso é importante levar um sabão do bebê para que as roupas e fraldas golfadas não mofem.
3. O que você considera imprescindível levar em viagens com crianças pequenas? E o que você não levaria mais?
Babadores para manter as roupas limpas, um carrier/canguru com um bom suporte para as costas (o meu é da marca Stokke), o carrinho para o bebê descansar tranquilo nas ruas e os remédios indicados pela pediatra, eles me salvaram no final, pois Helena ficou com um pouco de catarro no último dia e a pediatra pediu para usar o antialérgico devido ao avião. Ah, sobre o carrinho, não levei um carrinho “guarda chuva”, levei o carrinho normal dela mesmo e não me arrependi. Helena ainda é muito pequena e fiquei com medo dela ficar desconfortável em um carrinho mais leve. E acho que acertei, ela dormia como um anjo no seu carrinho super confortável, a única coisa ruim dele era o seu peso, claro. Acho que não levaria mais desmamadeira, mas no meu caso foi bem particular, já que na mesma época da viagem eu deixei de precisar da mesma que antes usava todos os dias.
4. Como foi a viagem de avião com Helena? 
A viagem de avião com Helena foi ótima! Na ida, o voo foi de noite então ela dormiu o voo inteiro. A tática do peito na hora da decolagem e aterrizagem deu muito certo por aqui. É legal administrar a “fome” do bebê e sempre dar de mamar um pouco antes de embarcar, já que não dá para contar com a hora exata de decolagem, tentar “segurar” a fome do bebê é pior, pois eles ficam ainda mais inquietos. Se o bebê mama, mesmo mamando um pouco antes, ele não vai rejeitar o peito na hora da subida ou descida. Para distrai-la levei os 3 brinquedinhos favoritos dela e contei com a simpatia dos passageiros, já que Helena sorria para todo mundo e esperava que todos brincassem com ela. A troca de fralda também foi bem tranquila. Na malinha de mão apenas o essencial: fraldas, pomada, 2 mudas de roupa, sabão líquido e uma micro toalha (se um grande coco aparecesse), fora luvinhas, gorrinhos e mantas, já que o avião fica bem frio. Não senti falta de nada. Helena foi a sensação do avião, rindo e brincando com todos os passageiros, mesmo os mais mal humorados heheehehe….
5. Quais dicas uteis você daria para quem quer viajar com filhos pequenos?
Saber que esse tipo de viagem será muito diferente de todas as outras. E ao meu ver, diferente em um bom sentido. Talvez você nem sempre coma seu prato quente, já que tem que levantar para distrair o bebê, caso o mesmo se irrite, talvez você não consiga ir a aquela exposição ou atração que você geralmente vai, porque não seria adequado para o bebê. Você não vai ir para balada ou conseguir beber de bar em bar (hahahah adoramos fazer isso). Mas, mesmo assim, são momentos inesquecíveis para viver com seu filho. É engraçado como eles percebem a mudança ao redor deles e observam cada coisinha que chamam sua atenção. Querem interagir com tudo e com todos, e tenho a certeza que eles se divertem, sim. Eles se adaptam a nova rotina, e se perceberem que estão seguros com você, vai dar tudo certo. Fiquei impressionada com a interação de Helena com os transeuntes da rua, em uma ocasião, passamos por uma grande excursão de velhinhos e ela parou e sorriu para cada um que passava, achando que todos deveriam brincar com ela. Em relação a mudança do clima também não tive problema algum, é só andar bem prevenida. Pegamos um dia de chuva e frio e tínhamos uma cidade para andar e turistar, colocamos ela no canguru, agasalhamos bem e ela foi tranquila e calma. Em resumo, vá para a viagem e tente aproveita-la de uma maneira diferente, percebendo como seu filho se adapta e aproveita. E sempre esteja preparado para um plano B, caso o bebê de alguma forma fique desconfortável. Por exemplo, mesmo quando eu tive que ficar no apartamento/hotel quando julguei que ela estava cansadinha, tentei aproveitar ao máximo o tempo ali, sem pensar que estaria “perdendo” alguma parte da viagem.
6. Qual foi o roteiro da sua viagem? E quais dicas você daria destes locais para passeios em família e hospedagem?
Primeiramente, fomos para Veneza e ficamos 2 noites por lá. Alugamos pelo airbnb um apartamento de 2 quartos, viajávamos com outro casal, bem próximo a praça de San Marco. Amamos esse apartamento, tinha vista para um dos canais, era bem central e com a parte interna bem conservada, o que é uma raridade em Veneza. Em todas as cidades sempre preferimos ficar em apartamento, pois para o bebê era muito mais confortável e nos proporcionava uma interação com o outro casal. Em Veneza, você tem que estar preparada para as escadas, subidas e descidas das pontes. Como não abri mão de levar o carrinho de Helena, eu e meu marido fazíamos essa musculação constantemente. Fizemos todos os passeios com Helena a tiracolo e até andamos de gôndola, ela amou. Ah, as vezes, na minha opinião,  viajar com o bebê não permite você escolher sempre a forma mais barata de transporte, por exemplo: Em Veneza o trajeto do aeroporto para a cidade de Veneza fizemos de taxi boat ao invés do transporte público. Sempre analise como será o trajeto com as bagagens, pois além de tudo isso, você estará carregando o seu bebê.
Depois, pegamos um trem e fomos para Firenze, também ficamos em um apartamento. O motivo central da viagem foi um casamento na cidade, por isso passamos mais dias lá. Conseguimos rodar a cidade praticamente toda com ela no carrinho e não tivemos problemas. No casamento, por ser de dia, tivemos uma participação excelente da pequena. Acho que o único evento que não consegui ir foi a despedida de solteira da noiva, hehehehe… Geralmente ficávamos o dia todo na rua, almoçávamos e jantávamos fora e voltávamos para casa, adoramos curtir o fim da noite lá. Não tínhamos pique de sair de casa “duas vezes”.
De Firenze alugamos um carro e ficamos mais 3 dias entre Siena e Montepulciano, já conhecíamos as cidades e fizemos um roteiro mais “light” para aproveitar a paisagem e a boa comida do local. Nessas duas ultimas cidades ficamos em hotéis, pois o período era muito curto. Sempre procurávamos hotéis centrais para que o deslocamento com Helena não fosse tão grande. A viagem de carro foi tranquila na cadeirinha alugada. Ao final, retornamos a Roma direto para o aeroporto onde pegamos um voo para Lisboa. Ficamos 1 dia na cidade apenas para descansar do trajeto tão longo, isso foi importantíssimo para que Helena fizesse a viagem de volta bem descansada.
7. Como ficou a rotina de Helena durante a viagem?
Helena é uma bebê tranquila que tem uma rotina já estabelecida. Ela mama de 3 em 3 horas e dá pelo menos 3 cochilos por dia. Em Recife, geralmente, ela acorda de 6h30 e dorme de 19hs. Para a minha felicidade, ela não entrou no fuso horário da Europa e ficou como se estivesse em Recife, ela acordava de 9h30/10hs e ia dormir de 23:30 hs. Era uma delícia, pois ela aproveitou toda a viagem. É importante dizer que eu não fiz nada para que isso acontecesse, apenas deixei ela dormir quando estava com sono e ela acordava a hora que quisesse. Não tentei estabelecer horários em um tempo tão curto. Acho que contei um pouco com a sorte também. rsrsrs…
Mais registros lindos dessa viagem deliciosa com a pequena Helena:
Linda essa família, e muito amada por nós do Mãetamorfose. Se encorajaram pra pegar o avião na primeira oportunidade que aparacer acompanhados dos babies? Hein?
Ficam aqui as dicas super valiosas da mamãe Dulce pra vocês! Obrigada, Ruiva, por compartilhar essa experiencia incrível com a gente! :)

Decore Salteado: Quarto de Menina Moderninha

Seguindo a tradição que temos em decoração (até rimou, ó! hehehehe…) vamos postar hoje uma quartinho de menina super descolado. O quarto foi pensando pela Fábrica Arquitetura para uma criança de 6 anos que perdurasse até sua adolescência.
Seguindo este pensamento, Camila Pereira e Ana Maria Freire - arquitetas da Fábrica -usaram uma cartela de cores composta pelo amarelo, salmão e rosa, buscando deixar o quarto alegre, mas nem tão adulto e nem tão infantil. O pilar perto da janela foi revestido em espelho, ampliando o ambiente. A bancada vira um rodameio tanto na parede da cama quanto na da televisão, trazendo unidade ao quarto.
Vocês vão se apaixonar pela parede da TV toda revestida com peças da Rerthy. A parede por trás da cama foi revestida em painel estofado em forma de réguas na cor amarelo. Bora dá um olhada no resultado?
A marcenaria foi executada sob medida. Eu, particularmente, adorei os objetos de decoração escolhidos. A moldura pink dando uma finalizada na aquarela da menininha e sua girafa foi uma delicadeza a parte.
Serviços:
Fabrica Arquitetura
www.fabricaarquitetura.com.br
@fabricaarquitetura

Feliz dia das Mães!

 
Um dos maiores desafios para nós, mães, sem dúvida é conciliar nossos mais diversos papeis: mãe, profissional, mulher, filha, amiga… Nós mulheres nos cobramos muito. Queremos dar conta de tudo. E eu posso afirmar, sem medo, que não conseguimos dar conta de tudo quase sempre. E não somos pior mãe, mulher, profissional… por isso.
Agora a gente sabe que novas demandas sempre surgem. Por isso, é super importante introduzir uma palavrinha CHAVE em nossas vidas: O NÃO. Saber dizer não e priorizar o que mais te FAZ FELIZ é o segredo para se sentir produtiva e leve. Mas nada de “NÃO” acompanhando por culpa! É um não consciente de que temos limites e que além de dar conta da casa, do trabalho, do marido e dos filhos, temos que dar conta de nós mesmas!
Nesse Dia das Mães eu desejo a você, mamãe, mais NÃOs, daqueles libertadores! Sabe? E que suas escolhas sejam as que mais irão te fazer feliz (e sua família também agradecerá por isso).
Siga nossa Fanpage: /maetamorfose
Siga nosso Instagram: @maetamorfose