Mãetamorfose em Palavras

A difícil arte de não rotular

11 nov de 2016 comentários

ncf_2212-3

A aparência é do pai, mas o gênio é da mãe.
Ela e a sua sogra são as mesmas pessoas. Nunca vi tão iguais!
Que menina danada. Virada. Ela vai te dar trabalho.
Que menina calma. Centrada. Esta não vai fazer feio.
Miúda Pão e Água. Esta dá trabalho pra comer!
Princesa Preguiçosa. Bagunceira que só e super dengosa!

É tão difícil a gente não rotular nossos filhos. Não é? Principalmente, pros outros.

Quando nos perguntam como eles são a gente trata logo de dar explicação. Criamos sem querer “uma segunda pele em nossos filhos, difícil de ser retirada”. Talvez seja até mais fácil de controlar o impulso “rotuleiro” na frente dos pequenos. Mas de longe, nós mães praticamente profetizamos sobre os filhos.

Falar de uma característica ou de uma atitude frequente dos nossos filhos é diferente de rotular. O que a gente deve evitar fazer é parecer um decreto. Especialmente se tratando de uma criança com muitos anos e transformações pela frente. Vejo tantas mudanças em mim mesma. Ai da gente se não nos fosse dada a possibilidade de mudar e melhorar… E essa constante transformação, mãetamorfosica ou não, vem nos mostrar que pra – quase – tudo tem jeito! E o futuro, pertence a quem mesmo?