Sem categoria

Mãetamorfose eu, Mãetamorfose tu

11 jan de 2011 comentários
A lição aqui continua AMAMENTAR!
DSC01612
DSC01837 DSC01977
DSC02272 DSC02503
Olá Meninas, me chamo Mariana, sou casada e mãe de João Gabriel de 6 meses.
Diferente de vocês, que na maioria tem uma princesa, eu ainda não tenho uma pra chamar de minha, tenho sim três sobrinhas que não deixam de ser minhas princesas. Mas hoje venho aqui pra compartilhar um pouco da minha história com meu filho João Gabriel e minha princesa mais nova, Maria Eduarda.
Sempre tive uma certeza desde que soube que estava grávida: iria amamentar até quando pudesse. Achava que ainda na sala de parto a pediatra iria colocar meu filho no peito e dali em diante tudo ia ser mil maravilhas. Mas não foi bem assim que aconteceu. Ele mamou sim, na sala de parto, mas quando chegamos no apartamento do hospital nas mamadas eu senti aqueeeeeeela dor! Nossa Senhora, nunca imaginei que fosse sentir isso. Dói! Dói pra caramba, eu me contorcia toda, as lágrimas escorriam, mas mesmo assim eu estava lá tentando.
Foram 15 dias assim, à base de Pomada Lansinoh pra tentar aliviar a dor, mas nada resolvia. Meu seio estava todo ferido, e ainda, quando João pegava mesmo no peito a dor começava na barriga, por causa do útero se contraindo.  É que Deus faz tudo tão perfeito, que amamentar ajuda até a voltar o útero para o lugar.
Bom, 15 dias depois tudo eram mil maravilhas, amamentar estava sendo a coisa mais prazerosa do mundo, e além do leite que eu dava pra ele, eu tinha que tirar o excesso, todo dia eu tirava um bocado de leite, e assim fui fazendo um estoque enooorme. De 10 em 10 dias eu ia no Imip levar meus vidrinhos pra pasteurizar, doava uma parte e guardava outra… meu freezer foi enchendo enchendo e eu achando ótimo, iria usar aquele leite numa emergência que precisasse sair… até que eu fui testar pra ver se ele tomava direitinho, mas aí não teve jeito dele pegar a mamadeira, testei toooooooodas que vocês possam imaginar, todas, todas! Mas ele só queria o peito, qualquer canto que eu fosse tinha que voltar antes de 3hs pra ele mamar. Comecei a ficar louca, né? Cheia de leite e ele não tomava. E como ele já estava bem grandinho, não existia aquela história de “tenta no copinho…” ele metia a mão em tudo que colocasse na frente dele que não fosse meu peito. Não tinha acordo, só filmando pra vocês entenderem.
Quando deu 4 meses depois, nasceu minha princesa mais nova, Maria Eduarda. Eu já tinha passado todas as dicas pra minha cunhada sobre amamentar, mas aconteceu que o leite dela além de ter demorado muito a chegar, não era em uma quantidade boa. Duda chorava de instante em instante com fome, já no hospital ela teve que tomar um complemento. Foi aí que tivemos a idéia de eu doar meu leite, pra evitar que ela entrasse tão cedo no leite em pó. E assim foi… Duda zerou praticamente meu estoque, e eu achei ótimo. Engraçado que toda vez que eu doava leite no Imip eu ficava pensando “quem será que eu estou ajudando? Queria tanto saber!” E doar meu leite pra Duda foi MARAVILHOSO, eu estava ajudando MINHA SOBRINHA. Meu irmão e minha cunhada são muito gratos por isso, e eu muito feliz em poder ter ajudado eles.
Acho que o que tem que ficar claro pras mães de primeira viagem como eu é que a amamentação não é desde o início aquela coisa linda como aparecem nas propagandas. É muito doloroso e nós mães temos que ter muuuuita força de vontade e determinação pra conseguir levar a amamentação adiante. É uma fase muito complicada pra mulher, você sai de casa com aquele barrigão, e num instante tem em seus braços aquele bebê lindo e tão esperado, mas que depende SOMENTE de você pra tudo. E ainda por cima você tá operada, sem hormônio nenhum, super deprê. Pelo menos comigo foi assim, eu chorava por tudo no mundo, se meu marido dissesse que ia na padaria eu tava chorando, só queria ele do meu lado pra tudo, e nesse ponto eu tenho que tirar o chapéu, ele me ajudou muito.
Hoje, João Gabriel toma leite na mamadeira, hehehehe. Bastou eu deixar o leite bem quentinho que ele tomou tudinho! Tive que ceder ao leite morno, coisa que eu sempre fui totalmente contra, mas acho que como o leite que sai do meu peito é morninho, né? Ele só quis assim. Está iniciando as frutinhas e as sopinhas e eu estou amamentando apenas uma vez por dia, já que não tenho mais tanto leite como antes. Tive que entrar no complemento, mas me sinto realizada em ter conseguido chegar até aqui. Duda está com dois meses, linda, linda. Infelizmente teve que entrar no leite em pó, mas minha cunhada tentou até onde pôde, e eu fui testemunha disso! Qualquer dia ela conta a história dela aqui pra vocês.
Beijos e um bom início de ano pra todas as leitoras do Mãe!
Mariana, com certeza vamos querer a História de Duda aqui pra complementar a sua, assim como foi na vida de vocês: uma história entrelaçada na outra. Realmente, amamentar não é nada fácil pra grande maioria das mamães. Eu, particularmente, amamentei quase um ano, e até os 6 meses, A Princesa era exclusiva no leite materno. ESCRAVIDÃO era a palavra. Mas no meu caso, a Princesa tinha Alergia a Lactose, mesmo eu querendo complementar não tinha como! Sorte que tive muito leite igualzinha a você! Depois posso contar a minha história aqui com mais calma! Obrigada Mariana pela sua importantíssima Participação! ADOREI.