Sem categoria

Mãetamorfose eu, Mãetamorfose tu

16 dez de 2010 comentários
A Lição aqui é “Normalizar”!

DSC_2205 Valentina 019

outras 256 PC020452
Olá, sou Eduarda, tenho 27 anos, sou casada e mãe de uma princesinha.
Tudo meu sempre é bastante planejado e desejado, não poderia ser diferente com o parto da minha princesa. Depois de três anos de casados eu e meu marido resolvemos concretizar o nosso sonho de ser pais, enfim parei de tomar anticoncepcional. Logo três meses depois descobri que estávamos grávidos, eu estava com apenas 5 semanas de gravidez.
A gravidez foi “tranqüila”, na 6ª e na 7ª semana tive um pequeno sangramento, segundo a médica, tudo em decorrência da implantação do óvulo, mas depois da 8ª semana (quando fiz o exame de sangue e descobrimos que era uma MENINA) começaram os enjôos matinais, horríveis, vomitei por todos os dias até completar a 15ª semana. Foi então que comecei a pensar no parto de minha tão desejada princesa.
Sempre tive em minha cabeça que faria uma cesárea, muito mais prático, escolheria a data, reservaria um quarto grande num Hospital, encomendaria doces, lembrancinhas e faríamos uma pequena recepção (in door) para darmos boas vindas a nossa tão esperada Valentina. Não passava pela minha cabeça a possibilidade de um parto normal, quanto menos PARTO NATURAL.
É ai que entra minha médica Dra.. Tânia (tão querida), ela desde o começo de minha gravidez me incentivou bastante em pensar nessa possibilidade de parto NORMAL, já que minha família tem um histórico muito bom nesse tipo de parto. Li muito sobre o assunto e algumas matérias me assustavam, achava que era extremamente dolorido e que nunca teria coragem de tornar o momento tão esperado de nossas vidas em um momento traumático para mim.
Conversando sobre o assunto com minhas amigas descobri que alguma delas se sentiram muito sós e sem participação alguma em partos cesáreas, uma grande amiga me disse o seguinte “Você chega no hospital com uma barriga e uma mudança, entra na sala de cirurgia não vê nada e quando o bebê nasce toda a atenção parte para ele e você fica lá na sala de parto largada, parece que ninguém se preocupa mais com você”.
Comecei então a rever meus conceitos e pensar com mais afinco em um parto NORMAL já que eu já estava na 30ª semana e Valentina já estava na posição perfeita para tal parto desde a 27ª, toda para baixo e do lado esquerdo (que dizem ser o melhor). Na 36ª semana ela estava de fato encaixada e sem circular de cordão o que era perfeito para o nosso parto NORMAL, decidi então esperar.
Como eu estava de mudança conversava bastante com minha pequena para ela esperar a mamãe se mudar para ela nascer na casinha nova e ter todo o conforto de seu cantinho que estava sendo preparado com tanto carinho.
As semanas foram passando, o peso foi aumentando, as alterações hormonais e o estresse da mudança e tudo mais me deixaram bastante ansiosa, fazendo com que eu mudasse totalmente de opinião, decidi então marcar uma data e uma hora para a chegada de minha princesa. Marquei para às 19:00 horas do dia 02 de agosto de 2010, quando já estaria com 39 semanas e 5 dias, me mudaria no dia 01 e assim ela já nasceria na casinha dela.
Foi aí que ela me surpreendeu, na nossa primeira noite em nosso apartamento acordei às 4:00 como de costume com uma enorme vontade de fazer xixi, foi ai que tive a surpresa de ver a mancha de sangue no fundo do vaso. Acordei meu marido e fiz ele me dizer se eu devia ou não ligar para a médica. O sono falou mais alto e ele disse “Amor, volta pra cama, não é nada sério!”.
Como nós mulheres somos muito desconfiadas liguei!!
“Alô Dra.. Tânia?” – Às quatro da manhã dá uma vergonha danada ligar e escutar do outro lado da linha uma voz de sono.
Ela de pronto já disse “Oi Eduarda, alguma surpresa??”
Daí expliquei o que tinha acontecido e ela me mandou correr para o hospital que minha bolsa já estaria rompendo. Durante todo o percurso fui sentindo um “xixi” saindo sem controle, mas muito pouco, nada daquilo que vemos em filme.
Quando cheguei ao hospital, fui ao banheiro e vi que estava tudo sob controle mas começava a sentir umas coisas esquisitas (as tão famosas contrações), não doía nada, só pensava o porque de tanto escândalo em filmes e novelas, com aquela dorzinha teria até 10 filhos, tudo normal. Quando voltei para a recepção para encontrar meu marido que estava dando entrada às 4:30 no hospital vi a cena de filme acontecer comigo, que água pouca que nada, quando a bolsa rompe é uma enxurrada e ai começam as benditas contrações dolorosas.
Assim que a bolsa estourou Dra.. Tânia chegou na emergência, quando ela me examinou eu já estava com 3cm de dilatação, quando conseguiram arrumar um quarto para mim as contrações já estavam bem próximas e a dor já era bem forte. Quando Dra.. Tânia me examinou pela segunda vez, aproximadamente uma hora depois, eu já estava com 8cm de dilatação. Decidiram então me levar para a sala de cirurgia.
O Parto
Entramos na sala de parto, eu, meu marido, minha mãe e a equipe de minha médica às seis e trinta e cinco da manhã eu já estava com 10cm de dilatação. A anestesista se preparou para aplicar a peridural, mas toda vez que eu sentava para ficar na posição vinha uma contração insuportável e eu me mexia fazendo com que a médica retirasse a super hiper agulha de minhas costas, isso aconteceu por três vezes, pois na terceira eu disse que a bebê ia nascer de qualquer jeito, pois eu não agüentava mais.
Depois de engolir o grito por três vezes, como os médicos mandavam, descobri que não adianta gritar como nas novelas e filmes, a força vem toda do grito engolido, eu escutei o choro mais bonito que já havia escutado, o de Valentina que às 7:20 da manhã veio ao mundo com 51,5cm e 3,660kg.
O melhor de tudo é que o meu maior medo era a passagem do bebê, mas as contrações são tão dolorosas que essa parte você nem sente. E não sente mesmo, pois eu estava sem anestesia e não senti nada. Após o nascimento de Valentina, eu já estava ótima e super feliz, pois tinha conseguido ter um parto maravilhoso e super NATURAL.
Fui para o quarto às 9:00 e ao meio dia já estava com minha filha no colo, de banho tomado e recebendo visitas que não pararam de chegar até o dia seguinte ao meio dia quando recebi alta e fui para nossa casa que já estava toda pronta para receber nossa princesa!
Texto por Eduarda Petribú, Empresária e Corajosa Mulher, eu diria com toda convicção!
Tá vendo só Gestantes e futuras mamães! Há uma esperança em termos Partos normais, literalmente, NORMAIS! Sem aquele teatro e desespero que vemos na TV…
Eu já tive a minha Princesa com Parto Cesáreo, mas existe uma possibilidade de conseguir ter o segundo com Parto Normal. Apesar de alguns riscos…
Não vou mentir em dizer que fiquei balançada! E Vocês? E ainda, alguém com uma história sobre Partos Normais pra nos contar?