Mãetamorfose em Palavras

Tem dia que é difícil mesmo

28 nov de 2016 comentários

ncf_2715-2

Tem dia que o cansaço impera, que a correria atropela, e o gás vai embora. Igual a mãe de ressaca pós farra. Mas, infelizmente, nem sempre o motivo é uma balada. Nesses dias fazer o papel de mãe “bem feito” é quase um rastejar…

Tem dia que com o filho capotado no máximo o que rola é o banho de gato (vulgo banho de lenço umedecido), escova de dentes levemente melada de pasta dando uma geral bucal, troca de roupa estilo vestir um boneco molenga de pano e pá.

Tem dia que o almoço vira lanche, e o jantar vira leite. E o: “Quer comer, não? Tá. De fome não morre.” É a melhor frase que há. (Torcendo: Já já ele vai ter que se alimentar!🙌🏻)

Tem dia que a gente deixa assistir televisão até arriar de sono. Fica do lado só esperando capotar.

Tem dia que a gente se finge de “morto”, rola até um ronco fake pra pensarem que já estamos no ponto e vê se animam a nos imitar.

Tem dia que o filho passa quase 24 horas sem tomar banho, de pijama. E a gente também. Só a noite que a gente vê a água rolar.
Tem dia que a gente não repõe o protetor, e o filho, claro: vai torrar.

Tem dia que o filho começa a tossir a noite, antes de deitarmos é um tal de vick, mel, nebulização, água e soro. Deitou vira só um no máximo levantar de encosto. Já já ele há de parar…

Tem dia que a gente sente mosquito no quarto a noite, e cadê a coragem de pegar repelente para logo passar? (Isso antes da zika chegar 😂)

Tem dia que nem a gente dá pra gente, quanto mais ter coragem para com o filho reclamar?
Tem dia que é difícil mesmo. A mulher de ferro esmorece, e a gente faz o que dá. Tamos juntas, rá!